Tel: (21) 2510-3656 / (21) 2532-4086|capaxdeieditora@gmail.com
  • O Conselho Indigenista Missionário (Cimi) tem sido acusado de incitar ações violentas em tribos indígenas de vários países. Em boa hora, a Assembléia Legislativa de Mato Grosso do Sul instalou uma CPI para investigar a ONG, que, apesar de integrar formalmente a Igreja Católica, se afasta bastante da prática cristã, em suas intervenções junto aos indígenas brasileiros. O que é o Conselho Indigenista Missionário? Por que as suas ações têm pouco ou nada a ver com os verdadeiros cristãos? O que está por trás da "agenda indigenista" no Brasil? Neste livro, baseado no depoimento do autor à CPI do Cimi da Assembléia Legislativa de Mato Grosso do Sul, encontram-se as respostas a estas e outras perguntas relevantes para o atual momento brasileiro.
  • Na mira da Máfia Verde, estão projetos de infraestrutura, novas tecnologias, avanços científicos e o otimismo cultural necessários ao progresso. Pela sua ação, como mostra o mapa da Embrapa Monitoramento por Satélite, grande parte do território brasileiro se converteu em "áreas de exclusões de desenvolvimento".
  • A presente crise política, institucional, socioeconômica e de valores que abala o Brasil marca o fim da Nova República, cujos protagonistas conceberam uma cidadania divorciada de um projeto de Nação que consolidasse os avanços das décadas anteriores e projetasse o País para o futuro. Em troca, estabeleceu-se uma cultura contra toda forma de autoridade, erradicou-se o princípio moral do Bem Comum que deve reger a vida pública, para abrir passo a meros projetos de poder. Sem um projeto nacional, a política partidária se converteu num instrumento para a captura do Estado, de braços dados com a corrupção e o crime organizado, frustrando as expectativas despertadas com a redemocratização e atrelando o País a uma agende hegemônica externa, a “Nova Ordem Mundial”, comandada de Washington, Wall Street e Londres. Este livro proporciona ao leitor um vislumbre dessa dinâmica antinacional, instando-o a engajar-se na construção de um novo caminho para o país.
  • Entendendo a Rússia reúne artigos e ensaios da autora, sobre uma questão crucial do nosso tempo: como o Ocidente deve abordar as suas relações com a Federação Russa, o maior país do mundo, em meio às grandes crises geopolíticas que caracterizam o cenário global. Trata-se de uma questão que, embora pareça distante, é igualmente relevante para a América Latina, onde, de maneira similar ao que se observa no restante do mundo ocidental, se manifesta uma luta pela definição de identidades individuais e nacionais, fundamentada em firmes princípios cristãos. Com base na sua vasta experiência analítica e em numerosas entrevistas com personalidades europeias e russas, Elisabeth Hellenbroich oferece importantes subsídios para o entendimento do papel da Rússia, juntamente com a China, como os pivôs da emergência de uma Eurásia física e economicamente integrada, como um novo eixo de inusitadas transformações geoeconômicas e geopolíticas.
  • O cassino global da finança reúne artigos dos autores, publicados em jornais italianos e nas publicações do Movimento de Solidariedade Ibero-americana (MSIa), nos quais discutem em linguagem direta e de fácil entendimento os diversos aspectos da crise econômica e financeira de 2007-2008, cujos efeitos estão longe de esgotados. Nele, explicam como uma crise de especulação imobiliária nos EUA e a bancarrota do megabanco Lehman Brothers colocaram o sistema financeiro internacional à beira de uma quebra generalizada. E, também, como os governos dos EUA e da União Europeia decidiram “salvar” o sistema, com maciças injeções de dinheiro para os bancos, que as empregaram para amplificar ainda mais as operações especulativas em todo o sistema, em detrimento das empresas e dos investimentos necessários nos setores produtivos da economia real. Do lado otimista, sugerem que a emergência de novos protagonistas, como o grupo BRICS e suas propostas para a conversão da Eurásia como um novo eixo de desenvolvimento de alcance global, poderá influenciar positivamente as inadiáveis transformações das finanças globais.
  • A economia física abrange os princípios de desenvolvimento econômico das nações, estudando as economias como um processo interligado de produção e consumo físico, em uma analogia com os organismos vivos, que proporciona uma noção de produtividade independente das medidas financeiras. Constitui, por assim dizer, o conjunto de capacidades com as quais o ser humano intermedia as suas relações com a natureza e o universo, sendo a economia a tradução do entendimento humano do microcosmo e do macrocosmo. A aplicação prática de tais conceitos é demonstrada neste livro, com exemplos do desenvolvimento econômico de nações como os EUA, Alemanha, França e, mais recentemente, a China. Além disso, o autor tece importantes considerações sobre o futuro do trabalho, em uma economia em que os principais insumos serão o conhecimento e a capacidade criativa/inovadora, escapando à falsa disjuntiva entre as doutrinas econômicas marxistas e liberais. Em troca, busca contribuir para a construção de uma doutrina econômica baseada nos princípios do Bem Comum e da dignidade da pessoa humana.